Caetano foi entrevistado pelo excelente apresentador Sergio Groisman, no Altas Horas.

Sempre que um artista, compositor ou músico entra na área política o “Cutucando” fica de prontidão. Primeiro porque entendemos a música e a arte em geral como entretenimento, e não como ideologia. Segundo porque, comumente, quando artistas resolvem falar de política “senta que lá vem merda…”.

Caetano comprovou nossa tese. O imbecil comparou a maior manifestação da história do país, ocorrida no domingo, dia 13, em favor do impeachment de Dilma, com a “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”, manifestação havida  em favor da queda de João Goulart nos idos de 1964.

A comparação não é só errada, é estúpida.

Disse o cantor: “A manifestação de domingo, para mim, não foi suficientemente diferente da passeata da Família com Deus [pela Liberdade], que apoiou o golpe de 64”.

Caetano é um atraso. Um retrocesso de 50 anos. Para falar a asneira que falou, é provável que não tenha lido um jornal durante décadas. Estava ocupado compondo “sem essa aranha sem aranha nessa tamanha…”. É o lixo!

A marcha de 1964 não tem nada a ver com as manifestações de agora, viu Caetano. Nós estamos é brigando contra uma quadrilha que se apoderou do que é público e vem nos roubando rotineiramente com a intenção de se manter no poder.

1964

Marcha da Família com Deus pela Liberdade foi o nome comum de uma série de manifestações públicas ocorridas entre 19 de março e 8 de junho de 1964 no Brasil em resposta à suposta “ameaça” comunista representada pelo discurso em comício realizado pelo então presidente João Goulart em 13 de março daquele mesmo ano. Na data, o mandatário assinou dois decretos, permitindo a desapropriação de terras numa faixa de dez quilômetros às margens de rodovias, ferrovias e barragens e transferindo para a União o controle de cinco refinarias de petróleo que operavam no país. Além disso, prometeu realizar as chamadas reformas de base, uma série de mudanças administrativas, agrárias, financeiras e tributárias, garantindo o que chamava de justiça social. Fundamentados na função social da terra e empreendimentos urbanos, demandas antigas e de ampla penetração na sociedade da época. Com discurso insuflando os sargentos a amotinar-se nos quartéis, Goulart antecipou uma pretensa reforma urbana e a implementação de um imposto sobre grandes fortunas. No contexto da Guerra Fria e da polarização entre os Estados Unidos e a União Soviética, estas idéias foram vistas como um passo em direção à implementação de uma ditadura comunista.

 

Abaixo vocês podem ver Caetano trajado de bandido. É o lixo moral e atrasado da MPB.

 

caetano