Arquivos Mensais: março 2016

Era uma vez…

Era uma vez, longe daqui, há muito muito muito tempo, uma organização não governamental e um prefeito, ajudados por um grande empresário do ziper, que resolveram tomar conta de uma cidade e de uma população. Naquela época fizeram todo o povo acreditar que eles eram os salvadores da pátria. Investiram pesadamente muito dinheiro em campanhas eleitorais, prometendo uma verdadeira revolução naquela pequena cidade, que honestamente acreditou na ONG e no prefeito.

O prefeito ganhou a eleição. A ONG ganhou muito muito muito dinheiro. Mas a cidade, pobre, continuou pobre. Todas as promessas de emprego, educação e saúde nunca se concretizaram.

Mas esses caras (a ONG e o prefeito, ajudados pelo ziper empresário) não eram tão malvados como pensava o povo. Para provar que eles se preocupavam e que não haviam enganado ninguém, resolveram construir uma escola e um centro cultural… E assim foram feitos: o centro cultural e a escola… aaaa, e também o empresário acabou abrindo a sua fábrica, e hoje emprega 13 milhões de pessoas.

E VIVERAM FELIZES PARA SEMPRE.

E para provar que isso não é um conto, seguem as fotos.

 

Centro Cultural antes:

centro cultural antes

 

Centro Cultural depois:

centro cultural depois

 

Escola antes:

escola

 

Escola depois:

escola depois

 

É por isso que todo mundo vai votar neles de novo.

 

Caetano Veloso é o lixo!!!

Caetano foi entrevistado pelo excelente apresentador Sergio Groisman, no Altas Horas.

Sempre que um artista, compositor ou músico entra na área política o “Cutucando” fica de prontidão. Primeiro porque entendemos a música e a arte em geral como entretenimento, e não como ideologia. Segundo porque, comumente, quando artistas resolvem falar de política “senta que lá vem merda…”.

Caetano comprovou nossa tese. O imbecil comparou a maior manifestação da história do país, ocorrida no domingo, dia 13, em favor do impeachment de Dilma, com a “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”, manifestação havida  em favor da queda de João Goulart nos idos de 1964.

A comparação não é só errada, é estúpida.

Disse o cantor: “A manifestação de domingo, para mim, não foi suficientemente diferente da passeata da Família com Deus [pela Liberdade], que apoiou o golpe de 64”.

Caetano é um atraso. Um retrocesso de 50 anos. Para falar a asneira que falou, é provável que não tenha lido um jornal durante décadas. Estava ocupado compondo “sem essa aranha sem aranha nessa tamanha…”. É o lixo!

A marcha de 1964 não tem nada a ver com as manifestações de agora, viu Caetano. Nós estamos é brigando contra uma quadrilha que se apoderou do que é público e vem nos roubando rotineiramente com a intenção de se manter no poder.

1964

Marcha da Família com Deus pela Liberdade foi o nome comum de uma série de manifestações públicas ocorridas entre 19 de março e 8 de junho de 1964 no Brasil em resposta à suposta “ameaça” comunista representada pelo discurso em comício realizado pelo então presidente João Goulart em 13 de março daquele mesmo ano. Na data, o mandatário assinou dois decretos, permitindo a desapropriação de terras numa faixa de dez quilômetros às margens de rodovias, ferrovias e barragens e transferindo para a União o controle de cinco refinarias de petróleo que operavam no país. Além disso, prometeu realizar as chamadas reformas de base, uma série de mudanças administrativas, agrárias, financeiras e tributárias, garantindo o que chamava de justiça social. Fundamentados na função social da terra e empreendimentos urbanos, demandas antigas e de ampla penetração na sociedade da época. Com discurso insuflando os sargentos a amotinar-se nos quartéis, Goulart antecipou uma pretensa reforma urbana e a implementação de um imposto sobre grandes fortunas. No contexto da Guerra Fria e da polarização entre os Estados Unidos e a União Soviética, estas idéias foram vistas como um passo em direção à implementação de uma ditadura comunista.

 

Abaixo vocês podem ver Caetano trajado de bandido. É o lixo moral e atrasado da MPB.

 

caetano